Um bichinho de estimação preenche o lar de alegria. Quem já experimentou essa sensação, dificilmente volta a viver sem um amigo de patas, asas ou barbatanas. Afinal, além de serem divertidos e interessantes, os animais também criam momentos de interação propícios ao convívio familiar.

E para escolher um pet adequado ao estilo de vida da família, é preciso conhecer as características de cada animal. Você é apaixonado por cães e gatos? Ou prefere animais mais independentes, como aves, peixes ou os exóticos répteis?

Uma escolha responsável influenciará positivamente a vida de todos os envolvidos. Por isso, confira algumas dicas sobre como encontrar o melhor animal para o seu estilo de vida!

Cães para um amor sem limites

Os cachorros estão entre os pets mais populares e amados das famílias. Por serem brincalhões e bastante afetivos, são indicados para pessoas cujas rotinas permitem certa permanência em casa. É importante dedicar um tempo diário para a convivência com o animal, variando entre carinhos, brincadeiras e exercícios físicos.

No entanto, os cachorros apresentam diferentes perfis conforme as raças. Labradores e Border Collies, por exemplo, são extremamente ativos e precisam de espaço, diferentemente dos buldogues. Uns podem ser mais independentes do que outros, pois apresentam diversos níveis de carência e afetividade, assim como os demais traços de personalidade — como mansidão, agressividade, preguiça e entusiasmo.

No entanto, uma coisa é fato: cães precisam de atenção. Indica-se alimentação de duas a três vezes por dia, passeios diários e banhos quinzenais. É também preciso treinar o animal para que ele faça suas necessidades no local correto e não destrua calçados, móveis e objetos da casa, principalmente enquanto ainda são filhotes. Prepare-se para as responsabilidades!

Gatos para afetividade moderada

O misterioso mundo dos gatos fascina inúmeras pessoas. Os bichanos se adaptam melhor a lugares pequenos e apresentam um perfil mais independente que os cães. Embora sejam sociáveis e carinhosos, encaram a ausência dos donos com mais tranquilidade. Portanto, se você vive uma rotina acelerada, mas volta para casa ao final do dia, um gatinho pode ser o amigo ideal.

Porém, essa independência tem limites: gatos não suportam longos períodos sozinhos. Portanto, se você viaja com frequência, repense a decisão. Como eles não se adaptam facilmente à coleira, transportá-los não é uma tarefa tão fácil. Além disso, os lugares devem estar adaptados com telas de proteção nas janelas para evitar acidentes e fugas. Vale também castrar o bichinho para prevenir brigas e filhotes inesperados.

Em termos de cuidados, a alimentação duas vezes ao dia é suficiente. Como os gatos não se sujam tanto, não necessitam de banhos frequentes. Só precisam de uma caixinha de areia para as necessidades, brinquedos e arranhadores (para evitar que as unhas sejam afiadas nos móveis). Aliás, se você é muito apegado à mobília, reconsidere: eles sobem em tudo, soltam pelos e podem deixar riscos.

Aves para uma amizade agradável

Belas e sonoras, as aves apresentam diferentes perfis conforme a espécie. Algumas são mais independentes e cantantes, como o canário e o periquito. Já outras, mais domesticáveis, podem ficar soltas durante alguns períodos e até aprender a reproduzir palavras. O papagaio e a calopsita, por exemplo, são pássaros de maior interação (embora exijam um contato delicado, pois são animais frágeis).

No entanto, é preciso ter algo em mente: aves são barulhentas. Por mais que o canto seja agradável, criar pássaros em apartamentos pode criar indisposição com os vizinhos. Se essa for a sua escolha, pesquise bastante e fuja das espécies de canto alto ou estridente, como as caturritas. O pássaro também influencia no clima da casa, sendo uma ótima opção para quem deseja alegrar o lar.

Para terem uma vida confortável, as aves precisam ser alocadas em gaiolas grandes, higienizadas e abastecidas com alimento diariamente. Não demandam tanta atenção dos donos, mas também precisam interagir — se você passa o dia fora, crie um casal de pássaros para que um faça companhia ao outro. São bastante indicados para quem terá um primeiro contato com um pet, além de idosos e crianças.

Peixes para independência afetiva

Os peixes também são ótimas escolhas para quem vai criar um bichinho pela primeira vez ou pretende estimular a responsabilidade em crianças. Por serem animais independentes, são perfeitos para quem passa o dia fora de casa e não tem tempo para dedicar muito carinho ao pet. Afinal, a interação com eles é bastante limitada.

Quanto aos cuidados, não há segredo: peixinhos precisam de alimentação diária, limpeza periódica do aquário e um filtro d’água em funcionamento. Por serem animais de observação, sua presença contribui para a tranquilidade do ambiente sem gerar bagunça ou grandes custos. No entanto, eles exigem assistência mínima para alimentação caso o dono vá viajar. Jamais deixe seu pet 100% sozinho, seja ele qual for.

Roedores para um convívio suave

Na turma dos roedores, o hamster é o pet mais popular. Devido ao tamanho pequeno, pode ser alocado em lugares com pouco espaço, além de não exigir tanta atenção dos donos. Bonitinho e peludo, é uma boa escolha para famílias com crianças, pois não requer tanta responsabilidade. No entanto, lembre-se: embora seja possível domesticá-lo, o hamster é um animal de observação.

Se você tem pouco tempo para dedicar ao pet, mas quer um amiguinho dócil e interessante, talvez um roedor seja a melhor opção. Porém, é importante ressaltar que esse animal não deve ser deixado solto pela casa, pois, além de fugir, ele pode roer a fiação elétrica e outros objetos térreos. Solte-o apenas nos momentos de brincadeira.

Basicamente, um hamster precisa de uma gaiola com uma rodinha para exercícios, disposta em um ambiente arejado. Quanto à manutenção, é interessante higienizar o local ao menos duas vezes por semana, mantendo os potes de ração abastecidos. Por esse motivo, os bichinhos não podem ficar sozinhos por muitos dias. Se a sua rotina inclui viagens longas, esteja ciente de que será preciso pedir auxílio a alguém.

Coelhos, chinchilas e demais roedores apresentam necessidades e comportamentos parecidos com os hamsters, embora precisem de espaços mais amplos.

Répteis para parcerias duradouras

Sem dúvida, a tartaruga é a mais simpática entre os répteis. Entretanto, comprar um animal desses definitivamente não é para qualquer um: é preciso planejamento. Com expectativa de vida em torno de 50 anos, esse pet é indicado para famílias com casas grandes e bastante espaço. Afinal, os bichinhos crescem durante a vida inteira.

Esses animais são independentes em termos afetivos, mas precisam de alimentação diária. Tartarugas e cágados podem ter comportamentos aquáticos ou terrestres, portanto, talvez seja preciso alocá-los em um aquário ou lago artificial. Como são dóceis, podem, inclusive, conviver com outros pets. Entretanto, não deixe de supervisionar as crianças e escolher companheiros adequados: eles são animais frágeis e podem se machucar facilmente.

Iguanas e cobras também podem ser criadas como pets. Porém, antes da aquisição, é preciso estar atento se o criatório de origem foi devidamente licenciado pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

Antes de tomar uma atitude precipitada, pense bem: répteis de estimação requerem habitat específico, cuidados especiais e bastante disposição para o convívio e a domesticação. É uma amizade bem peculiar de se ter, não é mesmo?

A adoção responsável é essencial para a convivência harmônica entre o dono e seu animal de estimação, e pesquisar as características da espécie escolhida é uma premissa básica para adequar o pet ao seu estilo de vida. Esteja atento ao planejamento familiar e financeiro: como qualquer membro da família, um bichinho gera custos e ocupa tempo. Depois disso, vá em frente. Um novo amigo espera por você!

Gostou destas dicas sobre pets? Que tal participar da discussão e deixar seu comentário abaixo?